ContosFantasia Medieval

Criação de Atenalp | Conto de Fantasia

Escrito por Leo Rodrigues

O surgimento dos planetas sempre foi um mistério, há quem diga que eram eventos cósmicos, capazes de explodir grandes asteroides que posteriormente se aglomeravam. No entanto, sua criação é de fato mágica e complexa, resultado de grandes batalhas épicas pelos deuses e dragões. Indicado para 12 anos ou mais.

   Os mais antigos contam uma história de como surgiram as pessoas em Atenalp. De acordo com eles, os Deuses estavam entediados após terminarem sua mais nova criação, o mundo. Eles colocaram plantas, montanhas, rios, mares, animais, vulcões, cavernas, florestas e pântanos, mas ainda não estavam satisfeitos. 

   Então, os 3 Deuses Maiores (Namiag, Nats e Vomiza) decidiram criar os seres humanos. Juntos, esculpiram da argila da floresta de Mrots, 6 homens e 6 mulheres, feitos um a um, para que percebessem que são todos diferentes, e criados juntos, para que soubessem que são todos iguais. 

   Assim, com um sopro dos Deuses, esses 12 humanos ganhavam vida. Mas o sopro de um Deus não lhes dava apenas a vida, algo tão poderoso assim possui resquícios mágicos poderosíssimos. E os próprios humanos se intitularam, os 12 magos.

   Eles passaram a peregrinar pelas terras para conhecê-las de leste a oeste, de norte a sul, e começaram a usar sua magia, modificando o trabalho dos Deuses. Cansados do calor que fazia, ao chegarem próximos às Montanhas Rehtorb decidiram que ali nevaria, e assim o fizeram. Ao caminhar pela orla, acharam monótono todo aquele areal e decidiram que na parte Leste, deveria existir uma área de mangue e pântano, e assim o fizeram. Passando pela região de Neerg, idealizaram um planalto com vegetação rasteira e com sua magia, assim o fizeram. 

   Todas essas mudanças incomodaram o Deus Nats, que via essas modificações como um afronte ao trabalho dos Deuses, mas seus irmãos, Namiag e Vomiza, argumentaram que, como foram eles que criaram os humanos, era como se esses seres fossem uma extensão da consciência dos Deuses e tudo o que eles modificassem, na verdade, era uma modificação feita pelos próprios Deuses. Nats aceitou, mas continuou incomodado, enquanto via os 12 magos modificando tudo o que ele e seus irmãos criaram com tanto afinco. Ele ficou observando-os, desejando que cometessem algum deslize. 

   Os humanos seguiram por toda Atenalp, mudando tudo o que achavam por certo, até que a maga Ísis sugeriu povoar a terra com seus descendentes, e estabelecer assim uma linhagem. Porém, os 12 magos não conseguiram entrar em um acordo em como deveriam criar seus descendentes. E decidiram dividir Atenalp em 12 partes iguais e ficar cada um com uma região específica para si, para que pudesse agir como bem entendesse.

   Ísis, triste com a separação dos 12 magos, ficou com o grande lago de Elcarim para si.

   Baltazar, com a região do lago Ekal, fundou também a cidade de Evas. 

   Sibila controlou a região central do continente, onde hoje se encontra Retnec e a floresta Rewolf. 

   Belchior dominou o Vale Yellav e o vulcão Naclov.

   Morgana preferiu morar nas regiões gélidas das montanhas Rehtorb.

   Salomão instalou-se nas montanhas de Ytniop, desde o Pico Elgae, até a cidade de Enots. 

   Cora foi viver na Baía Rica, onde hoje estão Ylati e Natsnoc. 

   Gaspar ficou com as ilhas Enirg, Rorrim e Tsohg para si.

   Circe voltou para a floresta Mrots, onde os magos ganharam vida. 

   Merlim subiu o planalto de Neerg e controlou aquela região.

 Cassandra decidiu que queria ficar com a região de Doolf, a parte mais pantanosa.

   E Nostradamus quis ser um andarilho visitando os irmãos de tempos em tempos, sem nenhuma terra para chamar de sua e, consequentemente, sem nenhuma obrigação. 

   Hoje, esses 12 magos se tornaram os patronos dessas respectivas regiões e dos nômades, andarilhos e comerciantes que vivem viajando. Tudo corria muito bem, todos os povos viviam em harmonia. Os magos souberam criar, cada um à sua maneira, povos totalmente diferentes e prósperos. O que gerou considerável inveja em Nats. 

   O Deus enfeitiçou Nostradamus, e o fez semear a discórdia entre os irmãos. Em suas viagens, todas as vezes que Nostradamus encontrava um irmão ou irmã, era compelido pelo poder de Nats a contar para aquele mago que os demais estavam articulando-se para tomar a respectiva região à força. Criando um clima de tensão e fazendo com que todos em Atenalp começassem a se preparar para as guerras.

   Após Nostradamus falar com todos os 11 irmãos, Nats o aprisionou na Ilha Worran. E foi até seu irmão Namiag e sua irmã Vomiza para convencê-los de que era hora de colocar outros seres em Atenalp. Afinal, os humanos já estavam bem estabelecidos e tudo estava calmo demais. 

   Vomiza argumentou que outros seres poderiam causar estranheza aos magos e talvez não fosse uma boa ideia. Mas seu irmão disse que, se os humanos são parte da consciência dos Deuses, eles iriam entender que os novos seres também o são, e os respeitariam como iguais. Vomiza foi voto vencido e eles foram criar os novos seres.

   Modelaram seres gigantes, seres alados, seres perfeitos. Já tinham feito uma vez, e parece que a prática leva à perfeição, usaram a mesma argila de Mrots, e na hora de dar o sopro da vida, Nats, ao invés, cuspiu. Fazendo parte da argila desmanchar, dando vida a criaturas monstruosas, trolls e dragões. Mas Namiag e Vomiza não puderam notar, por conta de um feitiço ilusório que seu irmão lhes rogou.

   Circe, que vivia naquela região, ao ver aquelas criaturas, tinha certeza que aquele não podia ser um trabalho dos Deuses, Eles jamais fariam seres tão monstruosos. De certo, era um trabalho de seus irmãos magos, que, acreditava ela, queriam tomar-lhe as terras.

   Então, ela se pôs a enfrentar os monstros. Os Deuses vendo aquilo não podiam acreditar, não fazia sentido uma maga atacar sua mais nova criação, só podia significar que Nats tinha razão desde o princípio e os homens não possuíam a consciência dos Deuses. 

   Circe não durou muito tempo em batalha, e alguns minutos foram suficientes para que ela perecesse, ao pé da árvore mais alta da floresta de Mrots, a árvore vermelha. 

   Enquanto isso, Nostradamus procurava formas de escapar daquela prisão, nada parecia adiantar, sua magia ali era inútil, e não era possível saber para que lado ficava o continente. Mas ele percebeu que ficava cada vez mais poderoso, e começava a dar sinais de que talvez, se ele continuasse tentando, em algum momento, poderia escapar. 

   Após Circe… Cora, Morgana e Cassandra foram capazes de aniquilar alguns dos trolls, mas os dragões eram poderosos demais para qualquer mago os enfrentar sozinho. Em seguida, Gaspar teve o mesmo fim. Salomão, Belchior, Sibila e Baltazar caíram, um após o outro. 

   Quando os monstros, guiados pela raiva de Nats, chegaram ao planalto de Neerg, Merlim, conhecido como o mais poderoso dos magos já os estava esperando. O confronto entre os dragões e Merlim perdurou por dias, trovões caindo como estacas do céu, rajadas de fogo, explosões e tempestades formavam o cenário da batalha. Que terminou com 2 dragões mortos, sendo que até então ninguém nunca tinha matado um dragão sequer, e Merlim exausto, ajoelhado onde hoje é o templo de Epop, de frente para os 3 dragões ainda vivos e sedentos de sangue, que estriparam o poderoso mago e se alimentaram de sua carne.

    Os Deuses viam aquilo tudo com muito pesar, sua obra-prima querendo acabar com sua mais nova criação, e lutando separados, sem unir forças. Restava apenas uma maga em Atenalp, Ísis. Era o que pensava Namiag, mas Vomiza se lembrava que ainda restava um outro mago, Nostradamus, mas ela não conseguia o encontrar em lugar algum.

   Nostradamus se sentia mais poderoso do que nunca, ele acreditava que era por conta de tanto treinamento buscando sair daquela ilha, mas acontece que a magia dos Deuses é algo constante no Universo, ou seja, ela simplesmente não vai embora.

   Cada mago que faleceu em batalha, deixou seu poder para os outros magos, mesmo que não quisessem. Logo, Nostradamus agora tinha em si, metade do poder de 10 irmãos caídos, mesmo sem saber disso. 

   Então, no instante em que Merlim foi comido pelos dragões, Nostradamus conseguiu conjurar um feitiço que quebrou a magia que o aprisionava, permitindo que Vomiza o visse. Percebendo que estava sendo enganada, ela se libertou do feitiço ilusório de Nats e entendeu tudo o que estava acontecendo ali.

   Ela fez com que Nostradamus tivesse conhecimento de tudo o que acontecera e criou um portal para ele chegar à Elcarim e proteger sua irmã Ísis. Enquanto ela própria resolveria sua questão com Nats. 

   Os dois magos enfrentaram os três dragões que restavam. Os dragões também possuíam o sopro dos Deuses, logo, eles eram criaturas muito poderosas e mágicas. Os magos se protegiam das rajadas de fogo, gelo, raio e tudo o mais que os dragões desferiam sobre eles, enquanto lançavam sobre os dragões magias de luz cortantes e perfurantes em formato de lâminas e elipses, magias essas capazes de atravessar montanhas inteiras. 

   Ísis e Nostradamus foram derrotando os dragões um a um, cortaram a cabeça do primeiro. Atravessaram uma lança de luz no coração do segundo e desferiram uma sequência de golpes poderosos, nocauteando o terceiro.

   Assistindo aquilo, Nats se deixou levar pela raiva, e possuiu o corpo do dragão desacordado, atravessando sua cauda pontiaguda no coração de Ísis. Matando-a na frente de Nostradamus. Que juntou toda a sua força, sua raiva, seu amor pelos irmãos e seu poder e conjurou uma rajada de energia radiante, com tal poder capaz de arrastar o dragão possuído, os corpos dos dragões e dos trolls, os corpos dos seus irmãos, tudo o que fosse resquício da magia dos Deuses para além do lago Elcarim, conjurando então uma gigantesca muralha de fogo, tão forte e tão quente que o lago em poucos minutos tornara-se um deserto, banindo de Atenalp todos os resquícios da guerra entre os magos e as criaturas mágicas de Nats. 

   A Deusa Vomiza, junto com Namiag, destruíram o corpo de Nats, condenando-o a ficar aprisionado no corpo do dragão, de forma que ele não pudesse jamais causar nenhum mal novamente. 

   Dizem que as más escolhas dos homens de hoje são influência da mente maligna de Nats. O que aconteceu com Nostradamus é uma incógnita, alguns acreditam que ele não aguentou o calor da muralha e foi consumido pelas chamas. Outros acreditam que ele foi convidado a se juntar aos Deuses. Há quem diga que ele simplesmente desapareceu após conjurar sua última magia, afinal o que ele queria era acabar com a magia em Atenalp. E ainda existem aqueles que alegam que ele ainda está por aí, vagando.

 

Nossa parceira! Editora CHA – Livros e Sistemas Nacionais – https://editoracha.com.br/loja/


Podcast RPG


APOIE NOSSA CAUSA!

Nossa Campanha do PADRIM está no AR! Acesse e veja nossas Metas e Recompensas para os Padrinhos e Madrinhas.
padrim.com.br/rpgnext

 

Se você preferir nos apoiar pelo PICPAY, acesse e veja nossas recompensas:
picpay.me/rpgnext

 

Doadores

 

COMPARTILHE!

Se você gostou desse Podcast de RPG, então não se esqueça de compartilhar!

Nosso site é https://rpgnext.com.br,

DEIXE SEU FEEDBACK!

Se quiser deixar seu feedback, nos envie um e-mail em [email protected] ou faça um comentário nesse post logo abaixo.

Seu comentário é muito importante para a melhoria dos próximos episódios. Beleza? Muito obrigado pelo suporte, pessoal!

Mostrar mais

Alisson Sturza

Curioso, dependente da tecnologia, amante de livros e corretor de contos.
Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: